Pe. Domenico Costella: uma vida de dedicação à filosofia, à teologia e à docência

Neste início de ano letivo, toda a comunidade acadêmica da Faculdade Vicentina presta uma homenagem ao Pe. Domenico Costella. O motivo é a gratidão por sua trajetória de docência nas áreas da Filosofia e Teologia. Em especial, pela oportunidade que tantos estudantes e professores tiveram de partilhar semestres letivos com sua presença e seus conhecimentos.

Pe. Domenico nasceu no dia 6 de fevereiro de 1941, em Borgotaro, na Província de Parma, na Itália. Foi ordenado padre em 1964, pela Congregação dos Missionários Xaverianos. 

É mestre em Filosofia Contemporânea (Roma, 1966) e doutor em Filosofia da Religião (Roma, 1973). Começou a se dedicar à docência no ano de 1978. E integrou o corpo docente de nossa instituição de 2007 a 2020. 

Na FAVI, ministrou aulas de Ética e Grego, no Bacharelado em Teologia. E conduziu as disciplinas de Ética Filosófica e Filosofia do Brasil e da América Latina, no Bacharelado em Filosofia

Entrevista com Pe. Domenico Costella

A seguir, confira a entrevista que fizemos com o Pe. Domenico Costella sobre esse caminho percorrido:

 

Como o senhor observa a história que a instituição traçou no tempo que fez parte do corpo docente, desde a época de Instituto Vicentino de Filosofia até tornar-se Faculdade Vicentina? 

Pe. Domenico: A história do Instituto Vicentino de Filosofia até se tornar Faculdade, com o decreto do MEC, é muito interessante. Lembro quando da PUC ia até Santa Felicidade e depois passando pelos campos (lembrando Holzwege de Heidegger: os caminhos do campo) chegava ao Instituto (não podemos esquecer a figura de Pe. Vicente Keller). Tenho ótimas lembranças; Também não posso esquecer o prof. Cleverson Leite Bastos, recém falecido, que contribuiu para o fortalecimento do Instituto, em seu começo.

Sobretudo pela coragem do Pe. André Marmilicz e do coordenador prof. Luiz Balsan, obtivemos o decreto de transformação do Instituto em Faculdade. Eu vi os esforços da diretoria da FAVI em ampliar a Biblioteca, adquirir revistas (o que faz uma Faculdade são os professores e a biblioteca). Além dos seminários anuais com temas pertinentes aos diferentes campos da filosofia e os desafios da sociedade contemporânea.

Qual a sua visão sobre a contribuição da FAVI na formação filosófica e teológica em Curitiba e no Paraná?

Pe. Domenico: A contribuição da FAVI para a formação dos seminaristas, leigos, Irmãs, é de inestimável valor. Cito o Estatuto da Faculdade Vicentina: “Inspirada em São Vicente, seu Patrono, a Faculdade Vicentina busca a promoção integral do ser humano, através de uma educação de qualidade, realizada por profissionais competentes, aberta a toda comunidade, em vista de formar cidadãos comprometidos com o desenvolvimento ético, social, cultural e político da sociedade e com o cuidado do planeta”.

Há muito tempo insisto nessa tecla: devemos formar leigos(as) com boa formação, mantendo sua autonomia – como prega o Vat: II - “em diálogo com os sacerdotes, e não coroinhas do padre”. “Os sagrados Pastores, porém, reconheçam e promovam a dignidade e a responsabilidade dos leigos na Igreja (…) E deixem-lhes liberdade e raios de ação” (LG, n. 37).

 

>>> Aula Magna 2021 com Pe. Domenico