A edição mais recente da Revista Vida Pastoral (ano 61 - número 333), referente aos meses de maio e junho de 2020, conta com a colaboração de um integrante do corpo docente da Faculdade Vicentina: o Pe. Eliseu Wisniewski. 

O artigo intitulado “A vida em comunidade nas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (2019-2023)” é dividido em cinco tópicos principais. São eles: a cidade como imagem importante para a ação evangelizadora em nossos dias; o estilo de vida e a mentalidade da cultura urbana; a experiência comunitária nos primeiros lugares da agenda pastoral; ambiente humano de proximidade e de confiança: as pequenas comunidades; coisas novas e velhas tiradas do baú.

Clique aqui para ler o texto na íntegra. 

Resenha

Pe. Eliseu também colaborou com mais um texto para o site do Instituto Humanitas Unisinos (IHU). Trata-se de uma resenha que apresenta o livro "Comunicar a fé. Por quê? Para quê? Com quem?", de Moisés Sbardelotto, mestre e doutor em Ciências da Comunicação.

"Neste contexto, em que as comunidades cristãs voltaram seu olhar e suas energias para o ambiente digital - uma vez que os recursos tecnológicos nos ajudam a suprir a distância física neste período de cautela - esta obra merece atenção e cuidadoso estudo com grandes benefícios para a Igreja do Brasil", escreve Pe. Eliseu.

Leia o texto aqui.

Foto: Freepik

O site do Instituto Humanitas Unisinos (IHU) publicou mais um artigo do Pe. Eliseu Wisniewski – membro da Congregação da Missão - Província do Sul, professor da Faculdade Vicentina, mestre e doutorando em Teologia. Desta vez trata-se de uma análise do novo livro de Marcelo Barros, intitulado Teologias da Libertação para os nossos dias, publicado pela editora Vozes, em 2020.

"Um cuidado desse livro é educar as pessoas para pensar a fé de forma ecumênica e em uma dimensão inter-religiosa da espiritualidade. Essa ecumenicidade ampla e laical é dimensão fundamental das novas teologias da libertação", escreve o autor do artigo.

Leia aqui o artigo completo e saiba mais sobre a obra.

Com o intuito de contribuir para a conscientização e a adoção de medidas de prevenção, a Faculdade Vicentina compartilha uma mensagem do professor Dr. Léo Peruzzo, que integra o corpo docente do curso de Filosofia e está vivendo na Itália, por motivos de estudo. 

Ele destaca a responsabilidade que cada pessoa tem para minimizar as consequências desta pandemia. E faz um apelo para que todos que puderem fiquem em suas casas e respeitem as recomendações das autoridades. 

Atenta à situação atual relacionada ao novo Coronavírus (COVID-19) e com o objetivo de contribuir na divulgação de medidas preventivas, a Faculdade Vicentina torna público o Ofício Circular do Ministério da Educação.

 

OFÍCIO-CIRCULAR Nº 3/2020/CGLNES/GAB/SESU/SESU-MEC 

Brasília, 11 de março de 2020. 

Aos(Às) Senhores(as) Dirigentes das Instituições de Ensino Superior 

Assunto: Recomendações – Novo Coronavírus (COVID-19)

Senhores(as) Dirigentes, 

  1. Com cordiais cumprimentos, encaminha-se, à sua atenção, o que segue: 
  1. O novo coronavírus (COVID-19) é um agente relacionado a infecções respiratórias, que podem apresentar-se com um quadro semelhante às demais síndromes gripais. Sua transmissão, com base no conhecimento científico adquirido até o presente momento, ocorre através da entrada no trato respiratório, pelo contato com gotículas de secreções (muco nasal, por exemplo). Isso pode acontecer por meio do contato direto com as secreções da pessoa infectada, pela tosse ou espirro, ou de forma indireta, pelo contato com superfícies contaminadas, levando-se as partículas ao nariz ou à boca através das mãos. 
  1. Para prevenir a transmissão, recomenda-se que os membros da comunidade acadêmica adotem algumas medidas comportamentais. Essas recomendações são fundamentais, tendo em vista que as Instituições de Ensino Superior são ambientes fechados, com grande número de pessoas e com realização frequente de atividades coletivas. 
  1. O Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Vigilância em Saúde, expediu recomendação ao Ministério da Educação para que promova as seguintes ações junto às instituições: 

           - Promover atividades educativas sobre higiene de mãos e etiqueta respiratória (conjunto de medidas comportamentais que devem ser tomadas ao tossir ou espirrar); 

          - Estimular a higienização das mãos com água e sabonete líquido e/ou preparações alcoólicas, provendo, conforme as possibilidades, lavatório/pia com dispensador de sabonete líquido, suporte com papel toalha, lixeira com tampa com acionamento por pedal e dispensadores com preparações alcoólicas para as mãos (álcool em gel), em pontos de maior circulação, tais como: recepção, corredores de acessos à sala de aulas e refeitório; 

          - Estimular o uso de lenços de papel, bem como seu descarte adequado; 

          - Realizar a limpeza e desinfecção das superfícies das salas de aula e demais espaços (cadeiras, mesas, aparelhos, bebedouros e equipamentos) após o uso. Preconiza-se a limpeza das superfícies, com detergente neutro, seguida de desinfecção (álcool 70% ou hipoclorito de sódio); 

         - Evitar compartilhamento de copos/vasilhas; 

         - Estimular o uso de recipientes individuais para o consumo de água, evitando o contato direto da boca com as torneiras dos bebedouros; 

         - Manter os ambientes arejados por ventilação natural (portas e janelas abertas); 

         - Evitar atividades que envolvam grandes aglomerações em ambientes fechados, durante o período de circulação dos agentes causadores de síndromes gripais, como o novo coronavírus (COVID-19); 

         - Manter a atenção para indivíduos (docentes, discentes e demais profissionais) que apresentem febre e sintomas respiratórios (tosse, coriza, etc.). Orientar procura por atendimento em serviço de saúde e, conforme recomendação médica, manter afastamento das atividades; 

         - Comunicar às autoridades sanitárias a ocorrência de suspeita de caso(s) de infecção humana pelo novo coronavírus (COVID-19). 

  1. Ademais, como parte da campanha de prevenção ao Coronavírus (Covid-19), este Ministério da Educação em parceria com o Ministério da Saúde produziu uma campanha para as redes sociais sobre tema. Segue, abaixo, o conjunto de arquivos de mídia que tratam sobre o assunto. 
  1. Também foi lançado um aplicativo (Coronavírus – SUS) para iOS e Android com informações sobre a doença, instruções para a população e mapa das unidades de saúde que podem fazer o atendimento em caso de suspeita. De acordo com a descrição na Play Store e App Store, mediante a plataforma, é possível tirar dúvidas sobre sintomas, prevenção e outras informações relevantes como unidades de saúde próximas e notícias oficiais. Segue, também abaixo, divulgação do aplicativo oficial do Ministério da Saúde. 
  1. Salienta-se que o Ministério da Saúde mantém a vigilância ativa a respeito da circulação dos vírus respiratórios, com o monitoramento constante da situação epidemiológica, gerando boletins e notas técnicas para orientação dos serviços de saúde, dos demais setores e da população. Na ocorrência de qualquer mudança no cenário epidemiológico que justifique a adoção de outras medidas de prevenção e controle dirigidas à comunidade acadêmica, haverá divulgação por intermédio dos veículos oficiais de comunicação. 
  1. Para mais informações sobre o novo coronavírus (COVID-19), solicita-se que seja acessado o sítio eletrônico do Ministério da Saúde pelo endereço https://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/coronavirus
  1. Destarte, esta Secretaria de Educação Superior recomenda a todas as Instituições de Ensino Superior - IES a adoção das medidas propostas, solicitando que as informações produzidas por esta Pasta em parceria com o Ministério da Saúde, ora encaminhadas, sejam disponibilizadas nos sítios eletrônicos das respectivas IES. 
  1. A Secretaria de Educação Superior permanece à disposição para prestar eventuais esclarecimentos adicionais.

Atenciosamente 

WAGNER VILAS BOAS DE SOUZA 
Secretário de Educação Superior

Coronavirus1

Coronavirus2

Coronavirus3

Coronavirus4

Coronavirus5

Coronavirus6

Coronavirus7

Coronavirus8

 

Clique aqui para baixar o arquivo com o Ofício do MEC sobre o Coronavírus.

 

Ele vive!

Como celebrar a alegria da Ressurreição neste tempo de pandemia?

Seguramente vivemos um tempo único na história da humanidade. Ninguém foi capaz de exteriorizar os sentimentos de milhões de pessoas neste tempo de isolamento social e comunitário.

Neste tempo de quaresma, fomos desafiados a nos recolher não somente em nosso coração, mas em nossas casas, comunidades, e viver de modo intenso a partir de nossos  lares a experiência de esperar a festa da Ressurreição. 

A Campanha da Fraternidade nos desafiou a ir ao encontro do outro, do caído, e buscar descobrir de quem somos o próximo. Nada mais desafiador do que descobrir no acolhimento do lar, ou de nossas casas formativas, a presença dos caídos, dos fracos, dos indefesos, dos machucados, daqueles a quem devemos prestar nossos primeiros socorros. Foi certamente um tempo de graça de Deus que nos permitiu adentrar em nossos quartos (casas), fechar a porta e orar ao Senhor (cf Mt 6,6). 

Estamos às portas de celebrar a Vigília Pascal, mãe de todas as celebrações, e como Igreja chamados a viver a Vitória. Dias atrás, o Papa Francisco nos disse: “Por que estão amedrontados? Não tenhais medo! Sim, não tenhais medo! O Senhor Ressuscitou! Vamos ao seu Encontro. Sim, sempre haverá vitória sobre o medo, sobre a morte. Ele é a Palavra de Deus que se fez misericórdia para todos”.

Como Faculdade Vicentina, queremos desejar a todos uma excelente Semana Santa. E que a alegria da Ressurreição acalente nossos corações e nos encha de esperanças. Que o Espírito do Ressuscitado, derramado abundantemente sobre nós, nos dê a certeza de que logo estaremos juntos fisicamente para continuarmos nossa missão.

Uma feliz e Santa Páscoa a todos. 

Pe. Ilson Luís Hübner
Diretor geral

Nesta segunda-feira, 16 de março de 2020, o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, assinou um decreto que dispõe de diversas medidas adotadas pelo Estado para reforçar os cuidados contra a proliferação do coronavírus. 

Entre as medidas anunciadas, está a paralisação das aulas na rede estadual de ensino do Paraná, por tempo indeterminado, a partir da próxima sexta-feira (20). A mesma determinação vale para as universidades estaduais.

>>> Acesse o Decreto nº 4230 (pdf)

Atenta a essa normativa e zelando pela saúde de seus alunos, professores e colaboradores, bem como da comunidade, a direção da Faculdade Vicentina informa que suspenderá as aulas presenciais dos cursos de graduação e do Propedêutico, a partir do dia 18 de março (quarta-feira), por tempo indeterminado. A equipe acadêmica está se organizando para a realização de atividades remotamente, com acompanhamento e supervisão online. Os alunos já foram orientados em sala de aula, para que sejam mantidos os estudos conforme o programado e não seja alterado o calendário acadêmico. Em breve, os estudantes receberão mais informações sobre as atividades.

No que se refere às turmas de pós-graduação, as aulas que estavam previstas para os dias 20 e 21 de março foram adiadas. As coordenações dos cursos seguirão acompanhando os boletins oficiais e as orientações das autoridades. Oportunamente, os alunos serão comunicados sobre as alterações no calendário e reposição dos módulos deste mês.

Além disso, o evento “Diálogos Interdisciplinares”, que seria realizado na FAVI, no dia 24 de março, também foi temporariamente cancelado. 

Contamos com a compreensão de todos neste momento de atenção e cuidado com a saúde pessoal e coletiva. Clique aqui para conferir outras medidas preventivas para evitar o contágio pelo coronavírus.

Foto: Freepik

Quer saber mais sobre o livro Piedade popular, de autoria de Ney de Souza? O Pe. Eliseu Wisniewski (membro da Congregação da Missão - Província do Sul, professor da Faculdade Vicentina, mestre e doutorando em Teologia) escreveu um artigo sobre a obra. O conteúdo está disponível no site do Instituto Humanitas Unisinos (IHU). 

"Nos capítulos deste substancioso livro Ney de Souza mostra que a piedade popular é uma forma de enculturação do cristianismo, enquanto encarnado na cultura popular. Por isso não pode ser desconsiderada ou ser tratada como algo superficial ou inferior. Trata-se de um catolicismo mais espontâneo e informal diferente do oficial e racionalizado dos pastores, teólogos. Veste-se com os hábitos da cultura dos simples e é marcada pelo sentimento, pela exuberância, pela expressividade, pela vitalidade e pelo caráter maravilhoso", observa Pe. Eliseu.

O livro foi publicado pela editora Paulinas em 2019 e faz parte da coleção Teologia do Papa Francisco.

Clique aqui para acessar o artigo completo.

Mais Artigos...