banner site

Já está disponível, no site da Faculdade Vicentina, a 22ª edição da Tabulae - Revista de Philosophia, publicação semestral da instituição.

Além do texto de editorial, esta edição apresenta seis artigos, sobre temas filosóficos diversos, tais como: cotidiano, inteligência, tempo, direito e política, ideal do belo artístico, educação política e cidadania.

>>> Acesse a edição nº 22.

“O conhecimento jamais deixará de ser importante. Queiramos nós ou não ele sempre foi, é e sempre será sinônimo de liberdade. Quanto mais conhecimento, mais liberdade; quanto mais liberdade, mais democracia”, ressalta o professor Ms. Eli Carlos Dal ́Pupo, no editorial desta edição.

Clique aqui para ver as publicações anteriores da Revista Tabulae.

Chamada de artigos

O período de submissão de trabalhos para a 23ª edição da Tabulae já está aberto. São aceitos artigos de todas as área da filosofia.

Os interessados devem formatar seus artigos de acordo com as orientações do arquivo abaixo e enviá-los para o e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

>>> Normas (pdf)

>>> VESTIBULAR AGENDADO 2019 - Inscrições abertas até o dia 1º de março.

 

Estão abertas as inscrições para o Vestibular de Verão da FAVI. O processo seletivo 2019 disponibiliza vagas para dois cursos de graduação: bacharelado em Filosofia e bacharelado em Teologia, ambos com aulas no período matutino e conceito 4 obtido no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade).

A segunda data de avaliação será no dia 4 de fevereiro de 2019, das 8h30 às 11h30, na sede da FAVI (Av. Jaime Reis, 531A), em Curitiba (PR). Além da redação, serão avaliados conhecimentos gerais de língua portuguesa, filosofia e história. No Manual do Candidato, constam as informações necessárias para a realização da prova e os conteúdos que serão avaliados.

>>> MANUAL DO CANDIDATO 2019 (PDF) 

Há mais de 50 anos, a educação vicentina forma cidadãos comprometidos com o desenvolvimento ético, social, cultural e político da sociedade, por meio do ensino superior de qualidade. Você pode fazer parte desta história, acompanhado pelo excelente time de professores da FAVI, todos mestres ou doutores.

Como se inscrever
Para participar do processo seletivo, é preciso preencher o formulário de inscrição do curso escolhido, pelo próprio site da Faculdade Vicentina. A taxa de inscrição é de R$85.

>>> FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO - FILOSOFIA

>>> FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO - TEOLOGIA

O prazo de inscrição termina às 23h do dia 29 de janeiro de 2018. Em caso de dúvida, entre em contato com a Secretaria, pelo telefone (41) 3222-7716.


O segundo dia do XXXIX Simpósio de Filosofia e do V Simpósio de Teologia da Faculdade Vicentina contou com as contribuições de dois renomados professores convidados. Veja a programação completa aqui.

A primeira conferência desta manhã, de 24 de outubro, foi ministrada pela Dra. Cineiva Campoli Paulino Tono, fundadora do Instituto Tecnologia e Dignidade Humana e membro da Comissão da Criança e do Adolescente na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/PR). A partir de sua experiência como educadora, doutora em Tecnologia e Sociedade (UTFPR), mestre em Educação (UFPR) e especialista em Informática na Educação, Dra. Cineiva abordou a relação entre a tecnologia e a dignidade humana. Fala esta complementada pelas considerações do Ms. Eli Carlos Dal’Pupo, professor da Faculdade Vicentina e arguidor da palestra.

Após o intervalo, Dr. Cesar Candiotto – professor da Pós-Graduação em Filosofia e do Mestrado em Direitos Humanos e Políticas Públicas da PUCPR e docente convidado pela Universidade de Lille, na França, e pela Universidade Católica de Moçambique – conduziu a conferência intitulada “A luta pela verdade em torno da política”. Às reflexões do palestrante, somaram-se as colocações do professor Dr. Aluísio M. von Zuben, que integra o corpo docente da FAVI e mediou o debate.

A programação deste dia também contou com dois momentos culturais: a apresentação de violino com os alunos Kevin de Mattos Ganz e Rodrigo Victor, acompanhados pela professora de música Ana Caroline de Paula; e a performance do coral MP Encanta, regido pela mesma professora.

A equipe de organização do Simpósio informa que ainda é possível fazer inscrição e participar das atividades planejadas para os próximos dois dias. Basta comparecer à Faculdade Vicentina na hora da palestra escolhida, realizar o cadastro e o pagamento da taxa de inscrição na entrada do auditório. A FAVI está localizada na Rua Jaime Reis, 531 (acesso também pela Rua dos Presbíteros, 60).

Clique aqui e saiba mais sobre o trabalho realizado pelo Instituto Tecnologia e Dignidade Humana.

Fotos: Geovanni C. De Luca


Na manhã de 9 de outubro de 2018, a Educação Vicentina - Província de Curitiba, a Faculdade Vicentina (FAVI) e a Casa de Acolhida São José promoveram o Seminário Conectando Solidariedade, com o tema “Educação e pessoas em situação de rua”. A atividade aconteceu nas dependências da FAVI, em Curitiba (PR). E faz parte do projeto pedagógico-pastoral Conectando Relações, dinamizado pela Educação Vicentina na Província de Curitiba neste ano.

Além dos integrantes da Casa de Acolhida São José, estavam presentes: participantes de movimentos sociais relacionados à população em situação de rua, alunos e professores da FAVI e estudantes no 9º ano da Escola Vicentina Nossa Senhora das Mercês, de Curitiba; da Escola Vicentina Sagrado Coração de Jesus, de Araucária; e do Colégio Vicentino São José, de Curitiba – proporcionando uma reunião de saberes e experiências entre a comunidade, a educação básica e o ensino superior.

O que nos une é o amor

IMG 7749“Olhar para o próximo é a essência do nosso carisma vicentino, que perpassa as dimensões humana, social e educacional, na construção de uma sociedade mais justa, fraterna e colaborativa”, lembrou Pe. Ilson Luís Hubner, diretor geral da Faculdade Vicentina, na abertura do encontro.

Ao contar como foi o processo de organização do Seminário, Ir. Suzane Tizott disse: “Começou como uma proposta pequena, mas chegamos aqui com mais de 100 pessoas. Mais que realizar um evento, estamos aqui para pensar uma situação. (...) O que nos une é o verbo amor”.

“Motivados/as pelo carisma comum que compartilhamos – o carisma vicentino – a proposta foi relevante à medida que oportunizou um encontro proativo entre as novas gerações e um dos grupos mais vulnerabilizados da sociedade atual, que é a população em situação de rua. Isso expressa um elemento essencial do carisma, que é a constatação de que o serviço aos pobres não é um discurso, mas uma aproximação real dos irmãos/ãs cuja pobreza tem nome, endereço, causas e consequências. Sensibilizar para a alteridade solidária é uma das vias irrenunciáveis da missão vicentina hoje, particularmente no que concerne à educação”, explica Irmã Raquel de Fátima Colet, uma das organizadoras do Seminário.

Panorama nacional da população em situação de rua

Para abordar o olhar sociológico sobre o tema, professor André Langer, doutor em Sociologia que integra o corpo docente da FAVI, apresentou um panorama nacional sobre a população em situação de rua. De acordo com um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), do ano passado, estima-se que atualmente mais de 100 mil pessoas estejam nesta situação no Brasil – e este número pode ser ainda maior, devido à dificuldade de contabilizar e acompanhar o crescimento deste grupo anualmente em números reais. O professor também falou sobre expressões utilizadas para se referir às pessoas que estão nesta situação e o preconceito que carregam, sobre estarem economicamente e socialmente marginalizadas, sobre o perigo de se associar pobreza a valores sociais e sobre a violência (física e simbólica) a que estão expostas diariamente. “A simples existência de pessoas em situação de rua é uma prova de nossa insensibilidade enquanto sociedade, da falta de solidariedade que ainda existe no mundo”, refletiu.

Professor Flávio Souza, da Educação Vicentina, ressaltou a importância deste assunto fazer parte de um programa pedagógico e lembrou que educar também é mobilizar para a ação. “Ninguém se mobiliza sem conhecer, sem compreender que a realidade pode ser transformada. A educação ajuda a construir mediações entre o que nós sonhamos para a sociedade e o que podemos tornar realidade”, disse. “Na educação vicentina, não fazemos as coisas para as pessoas, mas sim com as pessoas”.

IMG 7834Carlos Alberto, integrante do Movimento Nacional da População de Rua, contou sua história de vida e destacou a importância das parcerias e da participação popular, para ajudar a cobrar políticas públicas: “O que a gente quer é que os serviços públicos funcionem, que os direitos sejam respeitados. Que as pessoas tenham uma vida digna. Essas pessoas não estão na rua porque querem, alguma coisa aconteceu”.

Tomás Melo, antropólogo e integrante do Instituto Nacional de Direitos Humanos da População em Situação de Rua (INRUA), expôs como é recente a mudança na legislação relacionada à população de rua e lembrou da história do Índio Galdino, um caso que ficou mundialmente conhecido na área de direitos humanos. Também convidou os estudantes à reflexão sobre o número de desempregados no país e a dificuldade de competitividade entre uma pessoa que tem um lar para morar e outra que não tem, que já está em desvantagem.

Em seguida, todos os presentes foram convidados a participar de uma intervenção musical – com o Hino do Povo da Rua, cantado pelos frequentadores da Casa de Acolhida São José – e de um lanche de confraternização.

Experiência para a vida toda

“Destacaria o fato de ter sido um evento que foi pensado e gestado por muitas mãos, numa parceria efetiva entre os organismos envolvidos. Da parte da Educação Vicentina, o seminário foi ponto de chegada de diálogos e interações que vem acontecendo entre a comunidade educativa das Instituições Vicentinas desde abril. Os/as educandos/as dos 9º anos que participaram, por exemplo, já vêm refletindo sobre o tema há algumas semanas e certamente o retomarão em sua instituição local junto com os/as educadores/as responsáveis. Isso possibilita que a proposta também seja um ponto de partida para novos olhares e atitudes enriquecidas pela experiência feita”, complementa Ir. Raquel.

Fotos: Geovanni C. De Luca

“Linguagem e modernidade líquida: um problema antropológico?”: esta foi a questão que norteou a conferência desta manhã (25 de outubro) no auditório da Faculdade Vicentina, dando continuidade à programação do XXXIX Simpósio de Filosofia e do V Simpósio de Teologia.

A palestra foi ministrada pelo Dr. Léo Peruzzo Júnior – professor da FAVI, da PUCPR e da UNIFAE – que no mês de agosto ministrou conferências também em Portugal e na Espanha. Sua fala foi complementada pelas reflexões do professor Ms. Inácio Mallmann (FAVI e Uniandrade), que desempenhou o papel de arguidor.

Após o intervalo, o Simpósio foi marcado pelo lançamento de dois livros, de integrantes do corpo docente da FAVI. Professor Luiz Balsan, coordenador do curso de Filosofia e da pós-graduação, falou sobre a obra Teologia Pastoral, publicada pela Editora Intersaberes.

E o professor Léo voltou ao palco para explanar sobre o livro O que pensam os filósofos contemporâneos? - Um diálogo com Singer, Dennett, Searle, Putnam e Bauman – impresso pela PUCPRESS. Pela mesma editora, o docente já havia lançado a obra intitulada Ética na Pesquisa Científica, em junho deste ano.

O momento cultural desta quinta-feira ficou a cargo dos alunos da FAVI: Douglas Silveira, Patrick Vaz, Alisson Medeiros, Juliano Sampaio e Fernando Korzenieveski.

Fotos: Geovanni C. De Luca

 

Na manhã desta terça-feira (23 de outubro), o auditório da Faculdade Vicentina sediou o primeiro dia do XXXIX Simpósio de Filosofia e do V Simpósio de Teologia – evento organizado pelos alunos do Centro Acadêmico, com o auxílio do corpo docente, e que tem como tema central: “Pós-verdade e dignidade humana”.

A mesa de abertura foi composta pelas seguintes autoridades: Pe. Ilson Luís Hubner (diretor geral da FAVI), Pe. Francisco Javier Álvarez Munguía (assistente geral da Congregação da Missão, que veio de Roma para uma Visita Canônica); Pe. Odair Miguel dos Santos (provincial da Congregação da Missão Província do Sul), Dom Celso Marchiori (bispo da Diocese de São José dos Pinhais) e Felipe Teider de Godoi (presidente do Centro Acadêmico Vicentino de Filosofia - CAVIF).

Em seu discurso, Pe. Ilson acolheu a todos os presentes e ressaltou que “vivemos tempos desafiadores para o pensar e o dialogar”. E completou: “Somos uma instituição de ensino que se abre ao diálogo. Formamos homens e mulheres dispostos ao diálogo com o próximo e com o mundo. Dispostos a dialogar com o tempo presente e com os desafios deste tempo”. Clique aqui para ler o discurso de abertura completo.

“Com muita alegria, aceitei o convite para este evento, sendo para mim também um momento de muito aprendizado”, contou Dom Celso, destacando a importância de oportunidades como esta no ambiente universitário, com participação da comunidade e de profissionais de diferentes áreas. “Necessitamos de interações entre os saberes para construção e ampliação do conhecimento”.

“Neste ano, temos o desafio de pensar as complexas relações entre as diversas realidades que existem no mundo. (...) Desejamos, ardentemente, que os temas escolhidos possam proporcionar uma reflexão filosófica, teológica e, também, social”, disse o aluno Felipe, representando toda a equipe de organização.

Dom Celso e Pe. Javier participaram, ainda, da mesa redonda intitulada “Teologia e dignidade humana”, acompanhados dos professores Antonio Carlos da Costa Coelho (especialista em tradição judaica) e Pe. Joachim Andrade (doutor em ciência da religião).

Após o intervalo, os participantes puderam apreciar uma apresentação do maestro Eli Siliprandi e da solista Daniela Livramey. O número musical foi seguido pela fala da advogada Letícia Viviane Picão, especialista em direitos humanos (que substitui a fala da Dra. Edna Torres Felício Câmara, que não pôde comparecer).

Ainda é possível fazer inscrição e participar dos demais dias do evento. Basta comparecer à Faculdade Vicentina na hora da palestra escolhida, realizar o cadastro e o pagamento da taxa de inscrição na entrada do auditório. Confira a programação completa.

Fotos: Geovanni C. De Luca

Confira a reportagem veiculada pela TV Evangelizar, sobre o evento:

A Educação Vicentina - Província de Curitiba (junto às instituições educativas de Curitiba e Araucária), a Faculdade Vicentina (FAVI) e a Casa de Acolhida São José promovem o Seminário Conectando Solidariedade nesta terça-feira, dia 9 de outubro, das 8h30 às 11h. A atividade será realizada nas dependências da FAVI, localizada na Rua Jaime Reis, 531, em Curitiba (PR). E faz parte do projeto pedagógico-pastoral Conectando Relações, dinamizado pela Educação Vicentina na Província de Curitiba em 2018.

“Entre os objetivos dessa Ação Comum está a sensibilização ativa da Comunidade Educativa para a realidade das pessoas em situação de rua. Não obstante o aspecto prático do projeto, voltado à melhoria da lavanderia da Casa de Acolhida como espaço de atendimento sistemático a essa população, busca-se refletir sobre o papel da educação na transformação e superação da condição de vulnerabilidade humana e social que atinge este grupo”, apresenta o projeto do Seminário.

Outro ponto destacado no documento que descreve a atividade é a socialização de conhecimentos e experiências entre a educação básica, o ensino superior e a comunidade – fortalecendo a dimensão colaborativa que constitui o carisma vicentino. Os acadêmicos dos cursos de Filosofia e Teologia da FAVI participarão desta manhã, como parte de sua formação acadêmica e humana. E o professor Dr. André Langer contribuirá com um viés sociológico em uma mesa redonda que apresentará diversos pontos de vista acerca do tema.

Também estarão presentes alunos no 9º ano da Escola Vicentina Nossa Senhora das Mercês, de Curitiba; da Escola Vicentina Sagrado Coração de Jesus, de Araucária; e do Colégio Vicentino São José, de Curitiba.

Tema atual e relevante

“As pessoas em situação de rua se apresentam hoje como um grupo em crescente vulnerabilidade social. Além de questões voltadas à moradia e outras necessidades imediatas, observa-se a existência de um cenário de preconceitos e de diversas formas de violências em relação a essa população. Assim, urge somar ao trabalho sistemático de atendimento articulado no âmbito de políticas públicas e outros mecanismos da assistência social, uma abordagem educativa capaz de gestar uma nova mentalidade pessoal e coletiva, fundada na tolerância e no respeito, no reconhecimento efetivo da dignidade dessa população e na legitimidade de seus direitos como cidadãos/ãs. Entende-se que a escola como um espaço educativo por excelência pode e deve dar seu contributo nesse sentido, aproximando áreas do conhecimento, dialogando com experiências interdisciplinares e intuindo caminhos para a vivência e comunicação de atitudes de acolhida e solidariedade”, justifica o projeto.

Desta forma, a atividade visa a promover o intercâmbio reflexivo e vivencial entre a comunidade educativa vicentina e as pessoas em situação de rua, a partir de seus respectivos espaços de atendimento, a fim de integrar conhecimentos, fortalecer vínculos e ampliar a cooperação solidária.

Arte2

Mais Artigos...