Ao longo de toda a história da humanidade, ninguém teve tantos seguidores e ninguém fascinou tantas pessoas como aquele que são Marcos nos diz que passou fazendo o bem. Muito já se falou sobre Ele, mas a beleza e o mistério que o envolve fazem crescer cada vez mais o desejo de conhecê-lo melhor, assim como o fizeram os seus primeiros discípulos.  O curso de Bíblia 1 centraliza sua atenção na pessoa de Jesus Cristo.

Com uma perspectiva diferente, Bíblia 2 coloca sua ênfase no Antigo Testamento. São tantas as páginas e episódios que estão profundamente enraizadas no imaginário de grande parte da humanidade. Páginas densas de experiência e sabedoria espiritual que nem sempre se consegue compreender na sua profundidade, mas que podem ajudar a entender melhor o ser humano e o sentido de sua existência.

Ambos os cursos iniciam no dia 11 de março. Para conhecer mais assista o Vídeo sobre as Pós-graduações na Faculdade Vicentina.

Com a celebração eucarística presidida por Dom Francisco Carlos Bach, bispo da diocese de São José dos Pinhais, concelebrada por um grande número de sacerdotes, diocesanos e religiosos e com a aula magna ministrada pelo professor Ms. Edimar Brígido, a Faculdade Vicentina deu início ao ano acadêmico 2016. A homilia de Dom Francisco e as palavras do professor Edimar chamaram a atenção para as mudanças culturais que estamos vivendo. Sua profundidade nos permite falar de uma mudança de época. Neste momento de crise gerado pela ausência de valores e de verdades reconhecidas como tais, a filosofia e a religião mantém todo o seu valor. A reflexão filosófica bem como a religião apresentada como proposta livre de imposição podem oferecer pontos de referência para o homem contemporâneo encontrar um novo sentido para a sua existência e sobretudo o desejo de ser melhor e mais humano.

O momento foi marcado pela alegria do reencontro dos que já se conheciam, pela expectativa por parte de quem está apenas ingressando na comunidade acadêmica da Favi e em todos pela esperança de estar apenas iniciando um ano rico de aprendizado e realizações.

A Direção, por sua vez, quer expressar seus melhores votos a todos para este novo ano acadêmico que se inicia.

A abertura oficial da CFE aconteceu na Quarta-feira de Cinzas, 10, na sede da CNBB, em Brasília

“Ela propõe cada ano uma motivação comunitária para a conversão e a mudança de vida”, escreveu o papa Francisco, em mensagem por ocasião da abertura oficial da Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) 2016. Durante evento realizado na Quarta-feira de Cinzas, 10, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), foi lido o texto enviado pelo Vaticano.

Na mensagem, Francisco recorda que esta é a quarta vez que a CF é promovida com as Igrejas que fazem parte do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic). Lembra, ainda, que a Campanha cruza fronteiras, pois é feita em conjunto com a Misereor, entidade episcopal da Igreja Católica na Alemanha que trabalha na cooperação para o desenvolvimento de países da Ásia, da África e na América Latina. 

O papa destaca que a Campanha da Fraternidade deste ano trata de uma temática importante para a vida do planeta. “O objetivo principal deste ano é o de contribuir para que seja assegurado o direito essencial de todos ao saneamento básico. Para tanto, apela a todas as pessoas convidando-as a se empenharem com políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum”, disse o papa. 

Ainda no texto, Francisco convida a todos para a vivência da Quaresma, a partir de ações concretas de cuidado com o meio ambiente. “Eu os convido, principalmente durante esta Quaresma, motivados pela Campanha da Fraternidade Ecumênica, a redescobrir como nossa espiritualidade se aprofunda quando superamos ‘a tentação de ser cristãos, mantendo uma prudente distância das chagas do Senhor’ e descobrimos que Jesus quer ‘que toquemos a carne sofredora dos outros’, dedicando-nos ao ‘cuidado generoso e cheio de ternura’ de nossos irmãos e irmãs e de toda a criação”. 

 

Confira a íntegra da mensagem:

 

Mensagem do Papa Francisco por ocasião da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016

Queridos irmãos e irmãs do Brasil!

Em sua grande misericórdia, Deus não se cansa de nos oferecer sua bênção e sua graça e de nos chamar à conversão e ao crescimento na fé. No Brasil, desde 1963, se realiza durante a Quaresma a Campanha da Fraternidade. Ela propõe cada ano uma motivação comunitária para a conversão e a mudança de vida. Em 2016, a Campanha da Fraternidade trata do saneamento básico. Ela tem como tema: “Casa comum, nossa responsabilidade”. Seu lema bíblico é tomado do Profeta Amós: “Quero ver o direito brotar como fonte e a justiça qual riacho que não seca”. (Am 5, 24).

É a quarta vez que a Campanha da Fraternidade se realiza com as Igrejas que fazem parte do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil (Conic). Mas, desta vez, ela cruza fronteiras: é feita em conjunto com a Misereor, iniciativa dos católicos alemães que realiza a Campanha da Quaresma desde 1958. O objetivo principal deste ano é o de contribuir para que seja assegurado o direito essencial de todos ao saneamento básico. Para tanto, apela a todas as pessoas convidando-as a se empenharem com políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum.

Todos nós temos responsabilidade por nossa Casa Comum, ela envolve os governantes e toda a sociedade. Por meio desta Campanha da Fraternidade, as pessoas e comunidades são convidadas a se mobilizar, a partir dos locais em que vivem. São chamadas a tomar iniciativas em que se unam as Igrejas e as diversas expressões religiosas e todas as pessoas de boa vontade na promoção da justiça e do direito ao saneamento básico. O acesso à água potável e ao esgotamento sanitário é condição necessária para a superação da injustiça social e para a erradicação da pobreza e da fome, para a superação dos altos índices de mortalidade infantil e de doenças evitáveis, e para a sustentabilidade ambiental.

Na encíclica Laudato Si´, recordei que “o acesso à água potável e segura é um direito humano essencial, fundamental e universal, porque determina a sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para o exercício dos outros direitos humanos” (n.30) e que a grave dívida social para com os pobres é parcialmente saldada quando se desenvolvem programas para prover de água limpa e saneamento as populações mais pobres (cf. ibid.) E, numa perspectiva de ecologia integral, procurarei evidenciar o nexo que há entre a degradação ambiental e a degradação humana e social, alertando que “a deterioração do meio ambiente e da sociedade afetam de modo especial os mais frágeis do planeta” (n. 48).

Aprofundemos a cultura ecológica. Ela não pode se limitar a respostas parciais, como se os problemas estivessem isolados. Ela “deveria ser um olhar diferente, um pensamento, uma política, um programa educativo, um estilo de vida e uma espiritualidade que oponham resistência ao avanço do paradigma tecnocrático” (Laudato Si´, n. 111). Queridos irmãos e irmãs, insisto que o rico patrimônio da espiritualidade cristã pode dar uma magnífica contribuição para o esforço de renovar a humanidade. Eu os convido, principalmente durante esta Quaresma, motivados pela Campanha da Fraternidade Ecumênica, a redescobrir como nossa espiritualidade se aprofunda quando superamos “a tentação de ser cristãos, mantendo uma prudente distância das chagas do Senhor” e descobrimos que Jesus quer “que toquemos a carne sofredora dos outros” (Evangelii Gaudium, n. 270), dedicando-nos ao “cuidado generoso e cheio de ternura” (Laudato Si´, n. 220) de nossos irmãos e irmãs e de toda a criação.

Eu me uno a todos os cristãos do Brasil e os que, na Alemanha, se envolvem nessa Campanha da Fraternidade Ecumênica, pedindo a Deus: “ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a reconhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas no nosso caminho para a vossa luz infinita. Obrigado porque estais conosco todos os dias. Sustentai-nos, por favor, na nossa luta pela justiça, o amor e paz (Laudato Si´, n. 246). Aproveito a ocasião para enviar a todos minhas cordiais saudações com votos de todo bem em Jesus Cristo, único Salvador da humanidade e pedindo que, por favor, não deixem de rezar por mim.

 

Papa Francisco 

 

Praesent lobortis lorem quis lacinia pretium. Nunc sit amet erat nisl. Duis condimentum sem sed quam consectetur suscipit. Integer sed dignissim ex, sed rhoncus ipsum. Nullam vitae luctus purus. Donec non felis odio. In facilisis volutpat ligula. Duis pulvinar ligula ac laoreet faucibus. Suspendisse potenti. Phasellus aliquam nisl enim, at faucibus ex euismod sed. Proin lacus tortor, sodales sit amet erat et, blandit mollis eros. Duis interdum odio sed lorem congue, in egestas ex tempor. Nulla facilisi. Ut id ligula a ipsum ullamcorper suscipit. Nulla iaculis bibendum dui ac imperdiet. Nulla ultrices diam a lacus congue sollicitudin vitae non felis.

Donec tincidunt porta ultrices. Sed nec orci vestibulum leo dignissim lacinia sed sed leo. Suspendisse at orci ac justo condimentum interdum nec a mi. Vivamus maximus sagittis nulla, sed pulvinar quam varius euismod. Praesent ultricies posuere ipsum, vel suscipit tellus ultrices ac. Donec egestas nulla et sem tristique, id porta nulla commodo. Etiam maximus, orci id tempor posuere, nisl neque molestie ligula, vel sollicitudin nisl lacus sed turpis. Etiam sodales sodales leo vel ultrices. Integer et mi nunc. Etiam at dui blandit massa rutrum scelerisque sed at orci. Nunc venenatis fermentum rutrum.

Vestibulum sed est at tortor dapibus gravida. Cras eu interdum enim. Fusce nec lectus tortor. Etiam condimentum quam eros. Vivamus nisi lectus, feugiat nec congue id, tempor vitae justo. Mauris tristique luctus quam a sollicitudin. Donec fringilla mi non purus dignissim, a rutrum diam varius. Nullam id aliquet enim, et tincidunt nunc. Nunc viverra laoreet libero sit amet pretium. Pellentesque tincidunt, purus et lacinia luctus, lorem leo iaculis enim, id egestas ex velit a dui. Proin nunc massa, consequat at ex at, feugiat porttitor justo. In eget congue erat, in faucibus augue. Nunc non efficitur dui.

Durante a Quaresma a Igreja no Brasil intensifica a Campanha da Fraternidade (CF), com o objetivo de incentivar os empreendimentos de caráter humanitário e cristão, levando o povo a construir o bem comum. No Evangelho, Jesus demonstra atitudes concretas voltadas à solução de conflitos de interesses. O que Ele mesmo vive, tenta fazer com que nós vivamos também: o amor ao Pai e ao próximo. Daí decorre a vida fraterna, solidária, serviçal. O processo gradativo da evangelização importa na responsabilidade de todos, unindo seus esforços em função da promoção da dignidade da vida humana.

A CF 2016 traz a vasta temática da água. Sugestivamente cita o profeta Amós 5, 24: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”, e traz como lema: “casa comum, nossa responsabilidade”. A segurança hídrica vincula-se a políticas públicas voltadas à saúde e à educação da população. Se quisermos qualidade de vida é preciso reeducar-nos para obtê-la, garantindo os recursos hídricos. Importa no saneamento básico, na preservação dos mananciais, evitando o assoreamento, a poluição dos rios e dos oceanos, o gerenciamento da distribuição da água para uso humano, animal, produção agrícola, etc. A água possui um valor incalculável pelos benefícios que traz, contudo esse bem é finito e escasso. A vida no planeta está ameaçada por falta d’água tratada. Não podemos desperdiçá-la.

O programa “Viva Água”, plano emergencial de enfrentamento à estiagem, do Governo do Estado da Paraíba, em curso, prevê práticas que solucionam efetivamente o grave problema da falta d’água e estabelece ações preventivas de convivência no semiárido. Nossa população precisa envolver-se nessa política hídrica estrutural, política de preservação e cuidado sustentável. Note-se que a temática da CF 2016 abrange a Quaresma porque, na esfera espiritual, cuidar dos recursos da natureza significa favorecer à vida saudável, à vida em abundância (Jo 10, 10). Isso importa em evitar doenças endêmicas que se proliferam pela escassez de água e de alimento. Jesus vinculou as obras de misericórdia às práticas da vida qualificada: dar de beber e de comer a quem tem sede e fome. Não obstante a recessão socioeconômica pela qual passamos, o projeto Viva Água garante as etapas de investimentos em obras orçadas em R$ 133 milhões, em diversos sistemas de abastecimento, sobretudo em localidades de carência absoluta. Incluídas barragens subterrâneas e de terra, trincheiras, poços artesianos, etc. Concomitantemente, o saneamento básico.

 

Dom Aldo Pagotto

 

Arcebispo da Paraíba

 

Fonte: http://www.cnbb.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=18145:cf-2016&catid=198&Itemid=204

Foi publicada nesta terça-feira dia 26 de janeiro a Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma deste ano de 2016. Publicamos aqui a Mensagem na íntegra:

Mensagem do Santo Padre Francisco para a Quaresma de 2016

Tema: «“Prefiro a misericórdia ao sacrifício” (Mt 9, 13). As obras de misericórdia no caminho jubilar»

1. Maria, ícone duma Igreja que evangeliza porque evangelizada
Na Bula de proclamação do Jubileu, fiz o convite para que «a Quaresma deste Ano Jubilar seja vivida mais intensamente como tempo forte para celebrar e experimentar a misericórdia de Deus» (Misericordiӕ Vultus, 17). Com o apelo à escuta da Palavra de Deus e à iniciativa «24 horas para o Senhor», quis sublinhar a primazia da escuta orante da Palavra, especialmente a palavra profética. Com efeito, a misericórdia de Deus é um anúncio ao mundo; mas cada cristão é chamado a fazer pessoalmente experiência de tal anúncio. Por isso, no tempo da Quaresma, enviarei os Missionários da Misericórdia a fim de serem, para todos, um sinal concreto da proximidade e do perdão de Deus.
Maria, por ter acolhido a Boa Notícia que Lhe fora dada pelo arcanjo Gabriel, canta profeticamente, no Magnificat, a misericórdia com que Deus A predestinou. Deste modo a Virgem de Nazaré, prometida esposa de José, torna-se o ícone perfeito da Igreja que evangeliza porque foi e continua a ser evangelizada por obra do Espírito Santo, que fecundou o seu ventre virginal. Com efeito, na tradição profética, a misericórdia aparece estreitamente ligada – mesmo etimologicamente – com as vísceras maternas (rahamim) e com uma bondade generosa, fiel e compassiva (hesed) que se vive no âmbito das relações conjugais e parentais.

2. A aliança de Deus com os homens: uma história de misericórdia
O mistério da misericórdia divina desvenda-se no decurso da história da aliança entre Deus e o seu povo Israel. Na realidade, Deus mostra-Se sempre rico de misericórdia, pronto em qualquer circunstância a derramar sobre o seu povo uma ternura e uma compaixão viscerais, sobretudo nos momentos mais dramáticos quando a infidelidade quebra o vínculo do Pacto e se requer que a aliança seja ratificada de maneira mais estável na justiça e na verdade. Encontramo-nos aqui perante um verdadeiro e próprio drama de amor, no qual Deus desempenha o papel de pai e marido traído, enquanto Israel desempenha o de filho/filha e esposa infiéis. São precisamente as imagens familiares – como no caso de Oseias (cf. Os 1-2) – que melhor exprimem até que ponto Deus quer ligar-Se ao seu povo.
Este drama de amor alcança o seu ápice no Filho feito homem. N’Ele, Deus derrama a sua misericórdia sem limites até ao ponto de fazer d’Ele a Misericórdia encarnada (cf. Misericordiӕ Vultus, 8). Na realidade, Jesus de Nazaré enquanto homem é, para todos os efeitos, filho de Israel. E é-o ao ponto de encarnar aquela escuta perfeita de Deus que se exige a cada judeu pelo Shemà, fulcro ainda hoje da aliança de Deus com Israel: «Escuta, Israel! O Senhor é nosso Deus; o Senhor é único! Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças» (Dt 6, 4-5). O Filho de Deus é o Esposo que tudo faz para ganhar o amor da sua Esposa, à qual O liga o seu amor incondicional que se torna visível nas núpcias eternas com ela.
Este é o coração pulsante do querigma apostólico, no qual ocupa um lugar central e fundamental a misericórdia divina. Nele sobressai «a beleza do amor salvífico de Deus manifestado em Jesus Cristo morto e ressuscitado» (Evangelii gaudium, 36), aquele primeiro anúncio que «sempre se tem de voltar a ouvir de diferentes maneiras e aquele que sempre se tem de voltar a anunciar, duma forma ou doutra, durante a catequese» (Ibid., 164). Então a Misericórdia «exprime o comportamento de Deus para com o pecador, oferecendo-lhe uma nova possibilidade de se arrepender, converter e acreditar» (Misericordiӕ Vultus, 21), restabelecendo precisamente assim a relação com Ele. E, em Jesus crucificado, Deus chega ao ponto de querer alcançar o pecador no seu afastamento mais extremo, precisamente lá onde ele se perdeu e afastou d'Ele. E faz isto na esperança de assim poder finalmente comover o coração endurecido da sua Esposa.

3. As obras de misericórdia
A misericórdia de Deus transforma o coração do homem e faz-lhe experimentar um amor fiel, tornando-o assim, por sua vez, capaz de misericórdia. É um milagre sempre novo que a misericórdia divina possa irradiar-se na vida de cada um de nós, estimulando-nos ao amor do próximo e animando aquilo que a tradição da Igreja chama as obras de misericórdia corporal e espiritual. Estas recordam-nos que a nossa fé se traduz em actos concretos e quotidianos, destinados a ajudar o nosso próximo no corpo e no espírito e sobre os quais havemos de ser julgados: alimentá-lo, visitá-lo, confortá-lo, educá-lo. Por isso, expressei o desejo de que «o povo cristão reflicta, durante o Jubileu, sobre as obras de misericórdia corporal e espiritual. Será uma maneira de acordar a nossa consciência, muitas vezes adormecida perante o drama da pobreza, e de entrar cada vez mais no coração do Evangelho, onde os pobres são os privilegiados da misericórdia divina» (Ibid., 15). Realmente, no pobre, a carne de Cristo «torna-se de novo visível como corpo martirizado, chagado, flagelado, desnutrido, em fuga... a fim de ser reconhecido, tocado e assistido cuidadosamente por nós» (Ibid., 15). É o mistério inaudito e escandaloso do prolongamento na história do sofrimento do Cordeiro Inocente, sarça ardente de amor gratuito na presença da qual podemos apenas, como Moisés, tirar as sandálias (cf. Ex 3, 5); e mais ainda, quando o pobre é o irmão ou a irmã em Cristo que sofre por causa da sua fé.
Diante deste amor forte como a morte (cf. Ct 8, 6), fica patente como o pobre mais miserável seja aquele que não aceita reconhecer-se como tal. Pensa que é rico, mas na realidade é o mais pobre dos pobres. E isto porque é escravo do pecado, que o leva a utilizar riqueza e poder, não para servir a Deus e aos outros, mas para sufocar em si mesmo a consciência profunda de ser, ele também, nada mais que um pobre mendigo. E quanto maior for o poder e a riqueza à sua disposição, tanto maior pode tornar-se esta cegueira mentirosa. Chega ao ponto de não querer ver sequer o pobre Lázaro que mendiga à porta da sua casa (cf. Lc 16, 20-21), sendo este figura de Cristo que, nos pobres, mendiga a nossa conversão. Lázaro é a possibilidade de conversão que Deus nos oferece e talvez não vejamos. E esta cegueira está acompanhada por um soberbo delírio de omnipotência, no qual ressoa sinistramente aquele demoníaco «sereis como Deus» (Gn 3, 5) que é a raiz de qualquer pecado. Tal delírio pode assumir também formas sociais e políticas, como mostraram os totalitarismos do século XX e mostram hoje as ideologias do pensamento único e da tecnociência que pretendem tornar Deus irrelevante e reduzir o homem a massa possível de instrumentalizar. E podem actualmente mostrá-lo também as estruturas de pecado ligadas a um modelo de falso desenvolvimento fundado na idolatria do dinheiro, que torna indiferentes ao destino dos pobres as pessoas e as sociedades mais ricas, que lhes fecham as portas recusando-se até mesmo a vê-los.
Portanto a Quaresma deste Ano Jubilar é um tempo favorável para todos poderem, finalmente, sair da própria alienação existencial, graças à escuta da Palavra e às obras de misericórdia. Se, por meio das obras corporais, tocamos a carne de Cristo nos irmãos e irmãs necessitados de ser nutridos, vestidos, alojados, visitados, as obras espirituais tocam mais directamente o nosso ser de pecadores: aconselhar, ensinar, perdoar, admoestar, rezar. Por isso, as obras corporais e as espirituais nunca devem ser separadas. Com efeito, é precisamente tocando, no miserável, a carne de Jesus crucificado que o pecador pode receber, em dom, a consciência de ser ele próprio um pobre mendigo. Por esta estrada, também os «soberbos», os «poderosos» e os «ricos», de que fala o Magnificat, têm a possibilidade de aperceber-se que são, imerecidamente, amados pelo Crucificado, morto e ressuscitado também por eles. Somente neste amor temos a resposta àquela sede de felicidade e amor infinitos que o homem se ilude de poder colmar mediante os ídolos do saber, do poder e do possuir. Mas permanece sempre o perigo de que os soberbos, os ricos e os poderosos – por causa de um fechamento cada vez mais hermético a Cristo, que, no pobre, continua a bater à porta do seu coração – acabem por se condenar precipitando-se eles mesmos naquele abismo eterno de solidão que é o inferno. Por isso, eis que ressoam de novo para eles, como para todos nós, as palavras veementes de Abraão: «Têm Moisés e o Profetas; que os oiçam!» (Lc 16, 29). Esta escuta activa preparar-nos-á da melhor maneira para festejar a vitória definitiva sobre o pecado e a morte conquistada pelo Esposo já ressuscitado, que deseja purificar a sua prometida Esposa, na expectativa da sua vinda.
Não percamos este tempo de Quaresma favorável à conversão! Pedimo-lo pela intercessão materna da Virgem Maria, a primeira que, diante da grandeza da misericórdia divina que Lhe foi concedida gratuitamente, reconheceu a sua pequenez (cf. Lc 1, 48), confessando-Se a humilde serva do Senhor (cf. Lc 1, 38).
Vaticano, 4 de Outubro de 2015
Festa de S. Francisco de Assis
[Franciscus]

 

Fonte: http://pt.radiovaticana.va/news/2016/01/26/mensagem_do_papa_para_a_quaresma_texto_integral/1203793

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam ut est ut libero varius fringilla et a augue. Nunc vel luctus diam.

Suspendisse blandit ac ante id congue. Sed ante dui, aliquet a massa id, vulputate imperdiet ligula. Morbi tempus ligula quis turpis imperdiet, eget semper justo tristique. Morbi a lectus eu sapien pretium hendrerit. Nam id ante vel elit mollis ultrices eget id turpis. Mauris malesuada vestibulum gravida. Donec ullamcorper fermentum dui. Nam sit amet semper libero. Nullam mollis cursus tempus.

Mais Artigos...