Aos Mestres, com Carinho

Como é bom recordar a nossa infância, sobretudo, se ela deixou marcas positivas em nossa vida. A relação com os nossos pais, os nossos primeiros educadores; a alegria de termos irmãos com os quais brincávamos e tantas vezes brigávamos, mas sempre num clima muito livre e descontraído; os amigos de escola, de futebol, os primeiros amigos que jamais serão esquecidos. E nesse meio, como esquecer aqueles que foram os nossos primeiros mestres, os professores da escola de primário? Serei eternamente grato a eles, pois foi ali que aprendi as primeiras letras do alfabeto, as palavras, frases e textos. Aprendi a tabuada, a somar e dividir, a conhecer o mundo através de livros de história, geografia, romances, enfim, aprendi a estar em outro lugar através da mente, do pensamento, de autores que me ensinaram a me deslocar no espaço, abrindo os horizontes para novas realidades.


Recordar a infância para mim é debruçar-se neste universo tão peculiar, tão especial que se encontra naquele espaço específico que é a escola do meu interior. Serei eternamente grato aos professores que me alfabetizaram e me orientaram na sublime arte de conhecer, aprender, ser e conviver. Porque ali se aprendia a respeitar o próximo, a viver como colegas que se ajudam e se aprendia também a ler, calcular e a escrever. Saudades daqueles tempos que foram determinantes para que no futuro eu pudesse avançar no conhecimento e transpor barreiras intelectuais quase que inimagináveis para um menino do interior. Foram eles que me fizeram acreditar no meu potencial e de tantos outros colegas que avançaram e venceram tantos obstáculos graças àquela escolinha do interior.


Professor é alguém muito especial, porque se não fosse ele, o mundo seria carente de todo tipo de conhecimento, de avanços nas diversas áreas, na tecnologia, na ciência, na arte de relacionar-se e conviver pacificamente neste planeta terra. É graças a ele que se formam os engenheiros, os médicos, os dentistas, os advogados, os filósofos, os sacerdotes e todos os profissionais nas incontáveis áreas exatas ou humanas. O que seria do mundo sem o professor? E pensar que esse ser tão extraordinário tantas vezes não tem o devido reconhecimento da sociedade!
Na escolinha do interior o professor sempre foi uma espécie de referência, pautada no respeito e na credibilidade. A palavra do professor tinha força e importância impar na arte de ensinar e de educar. Nas marcas do tempo que passa, terei sempre vivo na memória as primeiras lições, o carinho e a ternura dos meus mestres da escolinha do interior. A eles, minha eterna gratidão, pois sem eles, eu não teria esse enorme prazer de escrever, de ler e de ensinar, arte que procuro desenvolver na minha vida como um verdadeiro ministério.
Nesse dia dedicado aos professores, os mestres na arte de ensinar, os sinceros parabéns. No contexto atual ser professor tornou-se uma arte muito mais difícil e exigente. Em muitos lugares os professores são verdadeiros heróis, pois lhes falta tudo e, sobretudo, o respeito e a valorização dos poderes públicos. A educação deveria ser a prioridade número um de todos os governos sérios e transparentes. Infelizmente, não é isso que assistimos ao longo da nossa história.


Aos mestres, com carinho, o reconhecimento e a profunda gratidão. Na sublime arte de ensinar e de educar, vocês são simplesmente insubstituíveis e imortais. Parabéns.