Páscoa: um novo amanhecer para a humanidade



Ninguém estava ali presente na hora da ressurreição, ninguém fotografou, ninguém filmou portanto, não existe um fato histórico, mas somente um dado de fé. A ressurreição de Jesus marca o inicio do cristianismo, pois a partir desse dado de fé, os apóstolos saem pelo mundo anunciando a boa nova anunciada e vivenciada por Jesus. A certeza da ressurreição os move para anunciar com coragem e persistência, o Cristo ressuscitado. Ele não está morto, mas ressuscitou e o seu Espírito continua em nosso meio, movendo as nossas vidas, a nossa história.

Se Jesus continuasse morte, nada de novo teria acontecido. Mas ele morreu e ressurgiu, vencendo a morte, as trevas, a solidão. A vida triunfou, e um novo amanhecer nasceu para a humanidade. Os apóstolos não foram pregar o Jesus da sexta-feira santa, morto na cruz, mas o Cristo do domingo da Páscoa, que ressuscitou e derramou o seu Espírito para ser a força e a coragem dos apóstolos e dos primeiros cristãos.


O inicio do cristianismo foi marcado por muita perseguição, e tantos martírios de inúmeros cristãos. Animados pelo Espírito Santo eles saem pelo mundo a levar a boa nova de Jesus, mesmo sabendo que isso poderia acarretar na sua morte física. No entanto, a exemplo de Jesus, a certeza da ressurreição os movia a ir em frente, sem medo e sem covardia.

A Páscoa é então essa passagem da morte para a vida, das trevas para a luz, da destruição para uma vida nova, do desespero para a esperança, das lágrimas de dor e tristeza para uma alegria profunda, enfim, é a certeza de que a morte não mais prevalecerá e a vida triunfará para sempre.

A Páscoa do cristão é essa passagem diária, onde a esperança, o otimismo, a coragem, o ânimo, estão em primeira linha. Podem acontecer momentos de angústia, de incertezas, de dor, de problemas, mas o olhar do cristão é de quem não se deixa abater, pois crê firmemente na ressurreição.

Quando caímos sob o peso dos problemas, das dificuldades, dos imprevistos, das derrotas, das perdas, eis o espírito de Jesus a nos animar, encorajar, como se estivesse nos dizendo: ‘eu também fui vencido pela morte, pela dor, pelo sofrimento, mas renasci pelo Espírito, e é isso que você também é chamado a fazer’. Como se uma voz estivesse nos animando para levantar, reerguer-se e não permanecer sob o peso da cruz, da dor, do sofrimento. Ai está a diferença do cristão com aquele que não o é, ou seja, essa certeza de dias melhores, mesmo nos momentos mais árduos e trágicos da existência.

Viver a Páscoa é fazer essa experiência de que a morte não é o fim de tudo, pois a vida vencerá um dia. É preciso então continuar acreditando, buscando, sem desanimar, sem se deixar abater, mas com um olhar firme, olhar sempre para frente, na certeza de dias melhores. A depressão e o desânimo, não poderão vencer aquele que crê na vida, na ressurreição, porque vive diariamente o espírito pascal. Como diz um canto bem antigo, ‘a Páscoa não é só hoje, a Páscoa é todo dia, se eu levar o Cristo em minha vida, tudo será um eterno aleluia’.

Desejo a todos(as), uma feliz e abençoada Páscoa, vida nova em Cristo ressuscitado e vivo em nosso meio.

Dr. Pe. André Marmilicz - Diretor Geral